Una persona da sola!

Apenas uma tarde e é o suficiente para acreditar que tudo é possível. Fui tomar um chá… um simples chá numa tarde que se adivinhava fria. Fria de tantos despojos inúteis e enredos sem sentido. Os meus sentimentos não me permitem partilhar o que se prende dentro da alma mas entre a multidão que se junta ao balcão numa cacofonia ensurdecedora, sempre prefiro o meu silêncio ao vazio de sentimentos suspenso no ar! As pessoas atropelam-se, vomitam palavras sem conteúdo num frenesi que transparece bem a inquietação do espírito! Dou por mim a fazer um inventário! Um inventário de acontecimentos, conquistas, erros, enganos mas também de esperança. Não me permito fraquejar. O fracasso não é opção. Se conseguisse juntar, de forma imparcial, todos os acontecimentos que não me correram de feição conseguiria resgatar a plenitude de outrora, e voltar a percorrer os longos corredores de sonhos deliciando-me na genuidade cândida da minha força interior!

O aroma a gengibre e amêndoas despertam-me os sentidos, confunde-me com aromas que me reavivam a memória da força que outrora permeava tão facilmente a minha natureza. De repente, volto a reencontrar-me, a frieldade desvanece-se. Voltei novamente ao cheiro da terra castanha-areia, salpicada pelas primeiras chuvas, com morros desenhados pelos ventos da memória, num céu colossal dum entardecer com o meu baobá lá longe… E assim me reencontro novamente e recupero-me da inspiração roubada de outros tempos.

Paula Alexandra Machado

 

 

Publicado em Uncategorized | Etiquetas | Publicar um comentário

charlesbukowski.jpg

“What a weary time those years were — to have the desire and the need to live but not the ability
citado em “Misto Quente”
Imagem | Publicado em por | Etiquetas | Publicar um comentário

Breaking free

“And what hurts is the steadily diminishing humanity of those fighting to hold jobs they don’t want but fear the alternative worse. People simply empty out. They are bodies with fearful and obedient minds. The color leaves the eye. The voice becomes ugly. And the body. The hair. The fingernails. The shoes. Everything does.

So, the luck I finally had in getting out of those places, no matter how long it took, has given me a kind of joy, the jolly joy of the miracle. I now write from an old mind and an old body, long beyond the time when most men would ever think of continuing such a thing, but since I started so late I owe it to myself to continue, and when the words begin to falter and I must be helped up stairways and I can no longer tell a bluebird from a paperclip, I still feel that something in me is going to remember (no matter how far I’m gone) how I’ve come through the murder and the mess and the moil, to at least a generous way to die.

To not to have entirely wasted one’s life seems to be a worthy accomplishment, if only for myself.” Charles Bukowsky

Publicado em Charles Bukowsky | 4 Comentários

“Há sempre algu…

“Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura.”

A Comédia do Ambicioso

Um homem que aspira a coisas grandes considera todo aquele que encontra no seu caminho, ou como meio, ou como retardamento e impedimento, – ou como um leito de repouso passageiro. A sua bondade para com os outros, que o caracteriza e que é superior, só é possível quando ele atinge o seu máximo e domina. A impaciência e a sua consciência de, até aqui, estar sempre condenado à comédia – pois mesmo a guerra é uma comédia e encobre, como qualquer meio encobre o fim -, estraga-lhe todo o convívio: esta espécie de homem conhece a solidão e o que ela tem de mais venenoso.

Friedrich Nietzsche, in “Para Além de Bem e Mal”

Citação | Publicado em por | Publicar um comentário